04/05/2015

Crianças com fortes ligações aos pais tornam-se melhores amigas e melhor adaptadas em relacionamentos difíceis

Quais as habilidades sociais que uma criança de três anos de idade leva nas interações com um novo parceiro da mesma idade? Se ela tem fortes laços com os pais, é provável que ela seja uma companheira sensível e positiva, além de ser capaz de se adaptar a um colega difícil, afirmando as suas necessidades, de acordo com um novo estudo da Universidade de Illinois publicado em Developmental Psychology.

"Crianças com laços fortes são mais sensíveis às sugestões ou solicitações feitas por um novo parceiro. Uma criança que tenha experimentado uma relação de apego seguro com cuidadores é susceptível a entrar em um novo relacionamento entre pares com expectativas positivas", disse Nancy McElwain, professora de desenvolvimento humano.

No estudo, os pesquisadores avaliaram a segurança das relações de apego mãe-criança para 114 crianças aos 33 meses, e os pais relataram o temperamento de seus filhos, incluindo raiva e medo social. Em 39 meses, as crianças do mesmo sexo foram pareadas aleatoriamente umas com as outras e observadas ao longo de três visitas de laboratório em um período de um mês.

Crianças bem seguras quanto ao apego eram mais sensíveis a um novo parceiro a primeira vez que se encontravam, mesmo que a nova criança estivesse propensa à raiva. Crianças com vínculos seguros continuaram a responder favoravelmente na segunda e terceira visitas quando a raiva do parceiro era baixa - mas não quando a raiva da outra criança foi alta, disse o pesquisador.

Quando uma criança está pareada com um colega que rapidamente se torna frustrado ou com raiva, as expectativas sociais positivas de uma criança com um apego seguro provavelmente não são cumpridas. A criança segura pode então se adaptar à situação e diminuir sua capacidade de resposta ao parceiro desafiador, disse McElwain.

"Uma criança mais firmemente ligada também foi propensa a usar sugestões e pedidos, em vez de comandos e comportamento intrusivo (como arrancar brinquedos) durante o jogo com um par propenso à raiva durante as duas primeiras visitas. Finalmente, uma criança com um apego seguro se adapta à assertividade e possui maior controle de seu parceiro propenso à raiva, obtendo mais controle sobre si mesma", disse ela.

O estudo mostrou que o nível de segurança do apego de uma criança, a tendência do seu parceiro para irar-se, e como os filhos se conheciam (comparando visitas anteriores e posteriores) se combinavam para prever o comportamento de uma criança. "O comportamento em direção a um parceiro dependia do temperamento do parceiro tanto quanto do próprio apego da criança. A consideração de ambos os fatores em combinação é necessária para compreender o comportamento da criança em direção a um novo par", disse McElwain.

O próprio temperamento da criança também desempenhou um papel na compreensão de seu comportamento em relação a novos parceiros. As crianças cujos pais as descreveram como socialmentes temerosas foram menos assertivas globalmente, observou a pesquisadora. "Mas não confunda um temperamento difícil com um apego inseguro. Você pode ter um bebê agitado, mas se você responder a ele com sensibilidade, ele irá desenvolver um forte vínculo com os pais e, provavelmente, vai continuar a desfrutar de relações positivas e estreitas com os outros", disse ela.

 

Fonte: University of Illinois College of Agricultural, Consumer and Environmental Sciences (ACES). (2014, June 19). Kids with strong bonds to parents make better friends, can adapt in difficult relationships. Science Daily. Retrieved April 13, 2015 from www.sciencedaily.com/releases/2014/06/140619142125.htm