T.R.I Preventivo.

O Trabalho de Reciclagem Infantil (T.R.I.), em sua modalidade preventiva (TRI-Preventivo) é um programa com objetivos de promoção de resiliência e desenvolvimento tanto da inteligência quanto da regulação emocional, aplicado em crianças na fase escolar.

Fundamentado e totalmente desenvolvido com bases científicas que sustentam todas as fases da composição, o programa pode ser aplicado em contextos escolares ou ambiente pedagógicos de modo lúdico e facilmente compreensível pelas crianças, pelos seus familiares e pelo corpo pedagógico da escola.

O TRI-Preventivo deriva de um protocolo clínico já consagrado no Brasil e no exterior, utilizado para o tratamento de crianças que apresentam, principalmente, transtornos de humor e ansiedade. 

Terapeutas do Brasil, da América Latina, dos Estados Unidos,  Austrália e Portugal já tiveram oportunidade de ser treinados neste modelo.

Bases Teóricas

O TRI-Preventivo foi criado por Renato Maiato Caminha e Marina Gusmão Caminha, proveniente da experiência de duas décadas de trabalho com crianças.

Essa experiência é derivada do trabalho clínico em larga escala através da clínica escola universitária, do ambulatório específico em centro de pós-graduação, da pesquisa na área infantil e na supervisão e docência nacional e internacional sobre o tema.

A estrutura teórica e prática do TRI-Preventivo é baseada nas teorias evolucionistas, nas neurociências, na psicologia experimental cognitiva e, finalmente, no paradigma cognitivo-comportamental.

Atualmente a saúde mental é resultado de uma equação que agrega bom fluxo e um certo grau de habilidades socioemocionais.

Estas habilidades são amplamente trabalhadas no TRI-Preventivo.

O objetivo principal do TRI-Preventivo é instrumentalizar a criança a desenvolver habilidades que lhes são inatas e que dependem de estímulos adequados para um bom nível de saúde mental e bem-estar futuro.

O TRI-Preventivo não visa identificar nem tratar transtornos psicológicos em crianças ou adolescentes. 

Com sua capacidade de desenvolver aptidões emocionais, através da regulação e da validação das emoções, permite à criança enfrentar situações estressantes de modo mais saudáveis e com maior capacidade de recursos psicológicos.

O TRI, além de significar Trabalho de Reciclagem Infantil,  também forma o seguinte acrônimo:

T: trabalhe as suas emoções;

R: recicle os seus pensamentos;

I: inove os seus comportamentos.

FASE T

• Avaliar a habilidade de ativação, reconhecimento, intensidade, validação e adequação de respostas emocionais (regulação emocional);

• Psicoeducar a criança quanto aos processos Emocionais e suas implicações cognitivas e comportamentais;

• Exercitar o desenvolvimento da empatia.

FASE R

• Partindo das Emoções, trabalhar com a capacidade de mediação dos processos cognitivos das crianças;

• Psicoeducar as crianças quanto às relações entre as emoções e os pensamentos;

• Estimular a expressão assertiva das emoções e cognições;

• Promover consciência e engajamento social, além de consciência e engajamento ambiental.

FASE I

• Psicoeducar acerca dos comportamentos;

• Ensinar o “Efeito Bumerangue” (reciprocidade comportamental);

• Ensinar sobre o bem-estar, uma emoção reguladora;

• Incrementar empatia;

• Trabalhar com resolução de problemas e enfrentamento de situações estressantes;

• Trabalhar os efeitos corporais das emoções e pensamentos;

• Trabalhar relaxamento corporal e controle respiratório;

• Trabalhar formas de acalmar a mente;

• Trabalhar a manutenção de comportamentos funcionais.

O programa TRI-Preventivo, em parceria com as escolas, espaços alternativos e clínicas objetiva o desenvolvimento das habilidades socioemocionais nas crianças.

Através do programa, os princípios da educação formal são ampliados visando o desenvolvimento e o fortalecimento de estratégias de resiliência no intuito de prevenir transtornos de ansiedade e de humor na adolescência e vida adulta.

Com a aplicação do TRI-Preventivo conceitos como empatia, altruísmo, compaixão, colaboração, regulação emocional, cognitiva e social são estimulados para aumentar os processos de cooperação grupal e reduzir comportamentos agressivos e de exclusão social como o bullying.

Preparação para implantar o programa:

Palestra para pais: "O que é Educação Socioemocional?"

Palestra para professores: "As bases de uma Educação Socioemocional".

Treinamento para professores: "Promovendo uma postura educativa socioemocional na sala de aula".

 

A quem se destina:

• Crianças de terceiro ao quinto ano (ou de 7 a 11 anos para programa aplicado fora do âmbito escolar.

Como:

 • Aplicado em grupos de no máximo 15 crianças com um facilitador e um assistente devidamente treinados no programa.

Onde:

• No ambiente escolar e instituições extracurriculares.

Duração:

• Doze encontros de 1h30min (adaptável).

Ganhos:

• Maior capacidade de socialização, respeito e colaboração grupal e social;

• Desenvolvimento da empatia e consequente redução de comportamentos danosos, como o bullying;

• Reconhecimento e aceitação do processamento emocional e das implicações cognitivas e comportamentais derivadas das emoções;

• Aumento da resiliência e maior capacidade de manejo de estresses futuros;

• Aumento de autoestima e autoeficácia;

• Aceitação das diferenças individuais e grupais.